Este livro foi comprado quando estava numa onda de romances históricos. Os romances históricos, de qualidade, são algo que recomendo vivamente pois dão-nos a possibilidade de, não só passar um bom momento a ler, como também permite-nos aprender um pouco mais sobre vários períodos da história da Humanidade, tendo sempre em conta, claro, que existem sempre elementos ficcionados.

Dois elementos despertaram a minha curiosidade no que diz respeito a esta obra. Primeiro, é uma obra que fala sobre uma período negro da história de Portugal (altura do massacre de judeus em 1506) escrita por um estrangeiro; segundo, por dar a conhecer também um pouco uma das religiões "da moda", a Cabala.

Ainda não o li, não por não o achar interessante, mas porque este tem sido um livro "azarado". Das duas vezes que o comecei a ler, escolhi alturas muito complicadas, em que o curso "apertou" e tive de deixar todas as leituras alternativas para o lado. Entretanto, foram sendo adquiridos aqueles livros que são impossíveis de colocar para o fim na imensa lista dos livros que tenho para ler, e este foi ficando por ler. Ainda não deve de ser em Fevereiro que o lerei, pois vêm aí mais 3 livros dos viciantes que TERÃO de ser lidos antes deste. No entanto, recomendo-o vivamente, até pelas poucas páginas que li (2x LOL).

Este livro não disponibiliza na sua capa nenhum tipo de crítica literária, mas, em contrapartida, apresenta uma bela sinopse capaz de despertar o interesse de qualquer leitor. No entanto, para quem quiser ter opiniões de terceiros sobre o mesmo, podem consultar na loja on-line da Bertrand, fazendo uma pesquisa sobre o nome do livro, e, clicando sobra a imagem do mesmo, somos levados a uma página, onde se podem ler 6 comentários de leitores, todos eles muito positivos.

"O Último Cabalista de Lisboa é um romance cuja acção decorre em 1506 entre os judeus forçados a converter-se ao cristianismo, no reinado de D. Manuel I. Em Abril desse ano, durante as celebrações da Páscoa, cerca de 2000 cristãos-novos foram assassinados num pogrom e os seus corpos queimados no Rossio. As principais personagens pertencem a uma família de cristãos-novos residente em Alfama, cujo patriarca, Abraão Zarco, é um iluminador e membro da célebre escola cabalística de Lisboa. Depois do pogrom, ele e uma jovem rapariga são encontrados mortos na cave, com a porta fechada por dentro. Estão ambos nus e envoltos num mar de sangue; as suas gargantas parecem ter sido ritualmente cortadas por um talhante judeu, um shoet.
A mais recente obra de Abraão Zarco, um manuscrito iluminado em que os rostos dos seus vizinhos e amigos representam personagens bíblicas, desapareceu do seu esconderijo secreto.
O assassino terá sido um cristão, ou, como os indícios fazem crer, outro judeu?
Quem seria a rapariga morta? Como é que o assassino escapou, se a porta estava fechada por dentro? Teria o manuscrito roubado o retrado do assassino?
Estes mistérios, que terão de ser resolvidos por Berequias Zarco, sobrinho de Abraão e seu discípulo no estudo da cabala.
O Último Cabalista de Lisboa, sendo embora uma ficção e não uma reconstituição histórica, tem como pano de fundo os eventos verídicos desse mês de Abril de 1506 e pode ser lida a vários níveis na tradição de um verdadeiro texto cabalista."

FICHA TÉCNICA
Autor: Richard Zimmler
Editora: Quetzal Editores
Ano de Publicação: 2007
Encadernação: Brochado
Nº. de páginas: 313
Género: Romance Histórico

Comments (6)

On 15 de janeiro de 2008 às 13:57 , Canochinha disse...

Então e já leste? Que tal? Parece interessante...

 
On 15 de janeiro de 2008 às 14:14 , Mónica Colaço disse...

Entretanto fiz a actualização dessa informação *shy*. Ainda não li o livro, apesar de já o ter começado a ler 2x mas, foi sempre em alturas complicadas da faculdade e acabou sempre por ficar para trás. Depois vieram livros mais "mediáticos" e este foi ficando para trás. No entanto, e do pouco que li, parece ser muito interessante, tanto que ainda está na estante dos "para ler".

 
On 15 de janeiro de 2008 às 14:43 , Cristina disse...

Bom, este livro parece bastante interessante e, tal como tu, sou uma apaixonada por romances históricos. Tenho um livro deste autor para ler desde o Natal de 2006, mas não há maneira de lhe pegar. Surgem sempre outras coisas e cedo à tentação... Ai, a minha carne é fraca, confesso.



PS - O livro de que te falo é 'À procura de Sana'.

 
On 15 de janeiro de 2008 às 19:13 , marcia disse...

Recomendo vivamente qualquer um dos livros do Richard Zimler, considero-os todos excelentes!

 
On 15 de janeiro de 2008 às 20:40 , Miss Alcor disse...

Nunca li nada do Richard Zimmler, mas já não é a primeira crítica despertadora de interesse que leio acreca dele!
Claramente em lista de espera a partir deste momento!

 
On 24 de janeiro de 2008 às 15:32 , Filipe de Arede Nunes disse...

O livro é fantastico, tal como os restantes do autor.
Estou neste momento em volta de "A Sétima Porta", e mais uma vez comprovo a delicia que é ler Richard Zimmler. Não pode ficar na estante à espera de ser lido.
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes