Este livro foi adquirido a custo zero, graças à Campanha 2=3 da editora Saída de Emergência, e que bela escolha eu fiz meus caros!

Sinopse

"A história verídica de Aimée du Buc que, raptada aos 13 anos por piratas argelinos, subiu dentro do harém do sultão turco, até se tornar na mulher mais poderosa do Império Otomano.
Transportando o leitor para o ameaçador mas majestoso universo da Turquia oitocentista, Seraglio recria magistralmente a vida de Aimée du Buc, prima da Imperatriz Josefina Bonaparte. Aos 13 anos de idade, durante a viagem da sua escola em França para a sua casa em Martinica, Aimée du Buc é raptada por piratas argelinos. Loira e de olhos azuis, a jovem era um tesouro precioso e foi enviada como presente para o Seraglio - o harém do todo-poderoso Imperador Otomano. À medida que Aimée, aprende os segredos eróticos que a fazem ganhar os corações dos reis e descobre as intrigas do reino, também luta para manter a sua antiga identidade, incluindo a fé cristã. Com o tempo, Aimée torna-se íntima de vários sultões: concubina de um, esposa preferida de outro e mãe adoptiva de um terceiro. Vítima de constantes e terríveis conspirações, a sua vida equilibra-se sempre na fronteira entre os prazeres sumptuosos e a mera sobrevivência. Até aos seus últimos anos de vida, quando assume o controle do harém e se transforma na mulher mais poderosa do Império Otomano.
"


Opinião

Primeiro que tudo acho que devo dizer que foi o livro que li mais depressa desde que comecei a trabalhar. Segundo que a sinopse tem dados errados o que é de estranhar.


Adorei o livro! A sua escrita é fluida e a personagem fascinante. Tendo em conta que muito pouco se sabe sobre esta ou qualquer outra mulher que pertencesse ao harém de um sultão, a verdade é que Aimée, rebaptizada de Nakshidil assim que passa a fazer parte do séquito de escravas do sultão, terá sido sem sombra de dúvida uma mulher bastante influente para 2 dos 4 sultões que passam pela vida desta.


A história é contada por Tulipa, outrora um dos muitos eunucos ao serviço do harém do sultão e que se torna responsável por Aimée aquando da chegada desta. Tulipa começa a história como apenas mais um entre muitos eunucos no harém e, com o passar do tempo começa a admirar a personalidade e inteligência de Aimée, tornando-se no seu melhor amigo, confidente e conselheiro.


Enquanto amiga e amante do 2º sultão, Selim, sem nunca chegar à posição de sua esposa pois já tinha sido concubina do anterior e tal não era permitido, a sua influência pode ser comprovada por várias das reformas impostas por este quer a nível cultural quer a nível arquitectónico, com a inclusão de música ocidental e danças no treino das mulheres do harém, entre outros elementos. Terá sido especialmente apreciada pela sua inteligência e cultura, o que lhe valeu a inveja das restantes mulheres e colocando-a em risco. Tulipa, torna-se cada vez mais numa pessoa essencial na sua vida.


No decorrer da história torna-se mãe adoptiva de um dos filhos do 1º sultão da história, cuja mãe morrera de tifo anos antes, e a qual tinha o mesmo nome, Nakshidil, Mahmud, o qual é o 3º na linha de sucessão ao trono. Ao ascender a esta posição, não só aumentam as invejas como cria uma inimiga de peso, Aysha, mãe do 2º na linha de sucessão ao trono. Confesso que denoto uma certa admiração pela vilã da história a qual, apesar de toda a sua malvadez, deverá ter sido por sua vez, uma mulher também bastante inteligente e ardil por ter conseguido, mesmo sendo mulher, incitar 2 golpes de estado.


Resumindo, esta mulher, Aimée, nascida na Martinica filha de colonos franceses de classe alta, passa de escrava no harém do Imperador Otomano, a concubina; de concubina a conselheira e amante e por fim a mãe do sultão reinante, o que a torna, na 2ª pessoa mais importante do Império Otomano. E tudo isto sem ter de recorrer a intrigas e causar a morte de inimigos (pelo menos assim reza a história contada).


No decorrer da história, ainda encontramos referências a Catarina, a Grande, e Napoleão Bonaparte, o que nos permite aprender um pouco mais (mas muito pouco) sobre os conflitos políticos e armados que ocorreram durante a vida de Aimée.


A sua influência na educação do filho é bem visível e indiscutível em termos históricos, o que a torna numa das personagens femininas mais fascinantes da história (que infelizmente não são assim tantas).

Um bom livro para quem gosta de romances históricos, e personagens femininas fortes.

Hiperligações para esta mensagem

Começo por dizer que este livro me surpreendeu pela positiva. Não só ó enredo é bastante original ao recorrer a Deuses Gregos, Titãs, aos demónios presos na Caixa de Pandora (e que não foi esta que abriu a caixa libertando as mulheres de mais um estigma como se já não nos chegasse Eva :D), caçadores de demónios e investigadores paranormais, como a história desenvolve a ritmo bastante interessante com poucos pontos que possa ser considerados mortos. (Sinopse aqui).

Gostei tanto, que o cheguei a levar para o emprego para ler no tempo que me resta entre o acabar de almoçar e a hora de retornar ao trabalho. Confesso que em algumas partes foi complicado deixar o livro de lado para trabalhar mas, é para isso que me pagam e o divertimento tem de ser confinado às horas livres.

O livro tem partes com uma carga erótica bastante forte como aliás, pelo que me foi dado a entender pelo que li acerca desta autora, é apanágio dela. No entanto, na minha modesta opinião e quando confrontado com outros livros dedicados ao erotismo que já li, confesso considero que ela o faz sem chegar a ser rude e demasiado "agressiva" na descrição das cenas. Também desta parte gostei da maneira de escrever de Gena Showalter. No entanto, considero que a atracção entre as duas principais personagens do livro ocorreu demasiado depressa e que foi demasiado intensa, chegando à obsessão, sendo que esse lado poderia, talvez, ter sido um pouco mais explorado antes de chegar-mos "a vias de facto".

No entanto, e apesar do meu "entusiasmo" pela leitura deste livro tenho de dizer que não se trata de todo de nenhuma obra-prima mas sim de um bom livro de entretenimento, especialmente para aqueles que gostam de mitologia.
Hiperligações para esta mensagem

Este livro foi mais um dos recentemente adquiridos. Nos últimos 2 meses "estoirei" todo o meu €€ extra em livros por isso vão ver muitas aquisições aqui apresentadas nos próximos tempos.

Foi um daqueles livros que adquiri, uma vez mais, devido a todas as excelentes criticas que tenho lido acerca deste escritor pela blogosfera e, como em tantas outras vezes, em sites de venda de livros como a Amazon ou mesmo na Bertrand on-line.

Tanto quanto sei parece que existe uma ordem "correcta" para ler a séries de livros a que este pertence. Alguém me sabe esclarecer acerca da mesma? Por mais erráticas e distintas que as minhas escolhas possam parecer gosto muito de ler tudo na ordem certinha :D

Sinopse
"Gabriel Allon, restaurador de arte e espião, está prestes a enfrentar o maior desafio da sua vida. Um alegado simpatizante da Al-Qaeda é morto em Londres, e no seu computador são encontradas fotografias que levam os serviços secretos israelitas a desconfiar de que a organização terrorista prepara um dos mais arrojados atentados de sempre, no coração do Vaticano Allon avisa o seu velho amigo monsenhor Luigi Donati, secretário pessoal do Papa, e parte para Roma, a fim de ajudar na segurança. O que nem ele nem Donati sabem é que o inimigo já se infiltrou no Vaticano. Nas semanas que se seguem, Allon irá travar um mortífero duelo de astúcia contra um dos homens mais perigosos do mundo que o levará de uma galeria londrina a uma ilha paradisíaca nas Caraíbas, a um isolado vale na Suíça e, por fim, de regresso ao Vaticano. A Allon resta montar uma armadilha e esperar não ser ele a cair nela. Com a sua intriga intensa e imprevisível, A Mensageira consolida a reputação de Daniel Silva como o melhor autor de thrillers internacionais da sua geração."

Imprensa
"Os entendidos chamam a Daniel Silva o novo John Le Carré. Os que o lêem não conseguem largá-lo."
Chicago Sun-Times

"Uma narrativa fascinante de enredos, poder e vingança, pelo campeão de vendas do New York Times, um dos melhores escritores mundiais de ficção de espionagem."
The Washington Post

Ficha Técnica
Autor: Daniel Silva
Editora: Bertrand
Publicação: Setembro de 2008
Encadernação: Capa Mole
Nº. de páginas: 382

Género: Romance

Hiperligações para esta mensagem

Este livro, por incrível que pareça, foi-me recomendado por uma funcionária dos CTT. Ao ler a sinopse e algumas das críticas da Imprensa decidi adquiri-lo. Mais tarde verei se foi uma boa sugestão ou não (se for tenho de lhe perguntar por mais HEHEHE).

Sinopse
"Num momento em que tem que tomar uma decisão que pode mudar a sua vida, Alexis Fieldings está determinada a descobrir o passado da sua mãe. Mas Sofia nunca falou sobre ele, apenas contou que cresceu numa pequena aldeia em Creta antes de se mudar para Londres. Quando Alexis decide visitar Creta, a sua mãe dá-lhe uma carta para entregar a uma velha amiga e promete que através dela, Alexis vai ficar a saber mais. Quando chega a Spinalonga, Alexis fica surpreendida ao descobrir que aquela ilha foi uma antiga colónia de leprosos. E então encontra Fotini e finalmente ouve a história que Sofia escondeu toda a vida: a história da sua bisavó Eleni, das suas filhas e de uma família assolada pela tragédia, pela guerra e pela paixão. Alexis descobre o quão intimamente ligada está àquela ilha e como o segredo os une com tanta firmeza. "

Imprensa
"Apaixonadamente envolvida pelo seu tema, a autora demonstra ter feito uma pesquisa meticulosa para apresentar os factos médicos."
The Sunday Times

"Uma leitura comovente e absorvente que nos toca o coração"
Evening Standard

"Lembra que o amor e a vida continuam mesmo nas circunstâncias mais extremas"
Sunday Express

Ficha Técnica
Autor: Victoria Hislop
Editora: Civilização
Publicação: Abril de 2007
Encadernação: Capa Mole
Nº. de páginas: 408
Género: Romance

Hiperligações para esta mensagem

Depois de tanto ter lido sobre este autor na blogosfera pelos meus sitios de passagem habituais, confesso que comprei este livro com GRANDES espectativas tendo colocado-o à frente de muitos outros que constavam na lista dos livros a comprar. Espero não me desiludir.

Sinopse
"Uma história inesquecível sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros.
Numa manhã de 1945, um rapaz é conduzido pelo pai a um lugar misterioso, oculto no coração da cidade velha: o Cemitério dos Livros Esquecidos. Aí, Daniel Sempere encontra um livro maldito que muda o rumo da sua vida e o arrasta para um labirinto de intrigas e segredos enterrados na alma obscura de Barcelona.
Juntando as técnicas do relato de intriga e suspense, o romance histórico e a comédia de costumes, A Sombra do Vento é sobretudo uma trágica história de amor cujo eco se projecta através do tempo. Com uma grande força narrativa, Carlos Ruiz Zafón entrelaça tramas e enigmas à maneira das bonecas russas num inesquecível relato sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros, numa intriga que dura até à última página. "


Imprensa
"Este livro foi um dos acontecimentos de 2004, pela sua qualidade de escrita, pela história fantástica e, sobretudo, por ter sido um dos poucos livros que li duas vezes com gosto redobrado. A história tem tudo: mistério, morte, polícia, perseguição, sexo, amizade e política. Carlos Ruiz Zafrón consegue agarrar o leitor desde o primeiro instante e, nas últimas páginas, confrontamo-nos com o drama de querer chegar ao fim e, ao mesmo tempo, querer fazer render o livro. É, para mim, um dos livros de 2004."
Patrícia Reis, Mil Folhar (Público), 02 de Janeiro de 2005

"Embora com ecos superficiais de Mendoza e Pérez-Reverte, a voz de Ruiz Zafón é de uma originalidade à prova de bomba. A Sombra do Vento anuncia um fenómeno da literatura popular espanhola."
Sergio Vila-Sanjuán, La Vanguardia

"Um, livro sobre outro livro, cheio de cenas fantásticas e maravilhosas. Logo que se começa a ler não se pode largar. Li-o num dia e meio, de uma assentada."
Joschka Fisher (ministro alemão dos Negócios Estrangeiros)

Ficha Técnica
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Editora: Dom Quixote
Ano de Publicação: Setembro de 2008
Encadernação: Capa Mole
Nº. de páginas: 507
Género: Romance Histórico

Hiperligações para esta mensagem

Este livro é dos meus favoritos de todos os tempos. Na minha modesta opinião, e como fã incondicional do Antigo Egipto, trata-se de um livro imperdível para os fãs do género. Este é um livro que certamente vou reler, pelo que não coloco opino sobre o mesmo desde já, pois não quero correr o risco de ser injusta na minha descrição omitindo partes essenciais e imperdíveis das quais posso já não estar tão ciente (li este livro à já bastantes anos).

Esta compra acabou por ser daquelas compras supérfluas porque já tinha este mesmo livro de uma edição anterior mas, como acabei por comprar O 7º Papiro e a 11º Praga do mesmo autor nesta nova edição, tive de recomprar este livro para assim ficar tudo igual (só espero que a Ulisseia reimprima O Mago nesta nova linha para assim ficar com a colecção completa).

A minha versão antiga, da Bertrand, encontra-se disponível no meu inventário do BookMooch para que estiver interessado em experimentar a leitura do mesmo.

Sinopse
"O Nilo era então a fonte da vida da terra dos Faraós: o Antigo Egipto, um império construído em ouro. Mas também, ao tempo em que decorre a acção de «O Deus do Rio», uma lenda despedaçada pela avidez e a cobiça. No festival de Osíris, os súbditos leais do Faraó reúnem-se para prestar homenagem ao seu senhor. Somente Taita - um escravo eunuco superiormente inteligente e dotado - o vê como um símbolo da decadência de um reino que já fora glorioso. O perigo espreita todos quantos se opõem à elite dirigente. Mas, juntamente com os seus discípulos Lostris, a bela filha de 14 anos do seu dono e senhor Intef, e Tanus, o jovem e orgulhoso oficial do exército, Taita avança por um longo e arriscado caminho: o que lhe é traçado pelo sonho grandioso de restaurar a majestade do Faraó dos Faraós nas resplandecentes margens do Nilo. Voltando assim ao esplendor do Antigo Egipto, no seu longo percurso romanesco, Wilbur Smith atrai os leitores para uma saga sumptuosa, que os leva, de um fôlego, até à explosão final de toda a carga de paixões, dramas e mistérios que o livro vai acumulando página a página. O "Deus do Rio" é uma obra-prima de um contador de histórias no auge das suas faculdades criativas."

Ficha Técnica

Autor: Wilbur Smith
Editora: Ulisseia
Ano de Publicação: Setembro de 2008
Encadernação: Capa Mole
Nº. de páginas: 515
Género: Romance Histórico
Hiperligações para esta mensagem

Este livro foi mais uma daquelas minhas compras por impulso. Andava a passar tempo pela FNAC, enquanto o R. se perdia a ver bicicletas noutra loja, quando me deparei com um livro com uma capa, que pessoalmente, considero linda.

Nunca tinha ouvido falar de tal obra mas a sinopse e as críticas que apresentadas na contra-capa foram o suficiente para me convencer. Aproveito para informar que o 2º volume desta história, de acordo com a Editora, deverá ser lançado por ocasião da Feira do Livro de Lisboa do ano que vem.

Sinopse
"Dama da corte japonesa, descendente de uma das inúmeras ramificações do clã Fujiwara, Murasaki Shikibu é uma das principais referências da literatura japonesa. No entanto, pouco se sabe sobre a sua vida. Terá nascido entre os anos de 970 e 978, filha de um cortesão de nível médio, que chegou a governador da província de Echizen, situada a norte da capital. Por volta de 999 casou com um parente afastado, também do ramo dos Fujiwara. Teve uma filha, Daini no Sanmi, e enviuvou ainda jovem. Com a morte prematura do seu marido, ingressou na corte de Akiko, uma das consortes do Imperador Ichijo, onde rapidamente se transformou na figura central de um círculo literário feminino, próximo da imperatriz. Aí terá completado a sua obra-mestra: Genji Monogotari, também conhecido como O Romance de Genji, ou ainda A História de Genji, conforme a tradução.

(…) Murasaki Shikibu, não tendo sido nem a primeira, nem a última escritora Heian, supera claramente todas as suas contemporâneas. Possuidora de uma sensibilidade única e de um talento nato para a escrita, ficam ainda para a posterioridade o seu diário pessoal e uma vasta antologia de poemas líricos.
Sem dúvida, uma personalidade incontornável da história da Literatura Universal."

Imprensa
“A História de Genji é o expoente máximo da literatura japonesa. Até aos dias que correm, nunca surgiu outra obra de ficção que se lhe igualasse.”
Yusunari Kawabata, Prémio Nobel da Literatura, 1968


“Um dos romances mais antigos do mundo, somente comparável aos grandes clássicos ocidentais como Cervantes, ou Balzac…”
Octávio Paz, Prémio Nobel da Literatura, 1990


“Nunca se escreveu nada de melhor, em nenhuma literatura”.
Marguerite Yourcenar

Ficha Técnica
Autora: Murasaki Shikibu
Editora: Exodus
Ano de Publicação: Abril de 2008
Encadernação: Capa dura
Nº. de páginas: 838
Género: Romance

Hiperligações para esta mensagem

Começo por dizer que sou uma grande fã dessa personagem histórica fascinante que foi Cleópatra, pelo que, a compra desta trilogia de que tanto já tinha ouvido falar era um absoluto MUST, especialmente porque a história era contada na 1ª pessoa.

A minha opinião acerca dos 3 livros não é consensual, sendo que não se pode dizer que tenham mantido o meu interesse pela sua leitura da mesma forma, com a diminuição deste a cada livro que lia.

Considero o 1º volume é absolutamente brilhante. Toda a construção da personagem de Cleópatra é fascinante passando pela sua infância e adolescência, fases menos conhecidas da sua história, até se tornar na jovem adulta com uma personalidade forte e uma inteligência acutilante, como aliás tem sido muitas vezes descrita. Ficamos também a conhecer um pouco mais sobre a sua família e os seus relacionamentos e conspirações para usurpação do trono do Egipto. Confesso que, talvez por este input de informações históricas das quais não estava tanto a par, e pela beleza e fluidez que nos agarra ao livro não o querendo largar, comprei logo depois os restantes dois volumes que completam a trilogia.

No segundo volume a história começa a ter muitos "pontos mortos" mas, e apesar de não ser tão bom como o 1º, ainda conseguiu despertar a minha curiosidade em terminar rapidamente o volume para chegar ao 3º e último.

O 3º e último volume tratou-se de uma dolorosa leitura até cerca de metade do mesmo pois, a sensação que tive, é que estava a ler um tratado sobre história bélica romana e não sobre a história de Cleópatra. Percebo que a mesma fez parte desses acontecimentos e que essa parte não poderia passar sem ser mencionada, sendo que serve também para ficarmos a conhecer um pouco sobre a fraqueza de espírito de Marco António, mas a extensão do livro dedicada apenas a este facto, tornou-o um tanto ao quanto "difícil de digerir". No entanto, Margaret George salva o livro com uma última parte absolutamente brilhante (para mim foi de ir às lágrimas) mostrando toda a garra e fibra de uma mulher que não se subjugou a Roma, e que ousou desafiar o grande Império Romano.

Resumindo, se esta trilogia tivesse sido encurtada em apenas 2 volumes retirando algumas das partes de muito dificil "digestão", Margaret George teria criado algo de extraordinário e imperdível. Apesar de tudo, e para quem gosta muito de Cleópatra recomendo o livro (com leituras na "diagonal" em algumas partes) pois esta personagem foi, sem dúvida alguma, criada pela autora com muito carinho e respeito pela mulher que tudo fez para manter o Egipto para os egípcios.
Hiperligações para esta mensagem

O BookMooch é um sistema, existente na internet, cujo principal objectivo é permitir a troca de livros que já não nos interessam assim tanto por outros que nos interessem mais.

O primeiro passo é registramo-nos no site (gratuito) e adicionar ao inventário todos os livros que já não nos fazem assim tanta falta e que estamos dispostos a dar em troca de outros. Os únicos custos que este sistema tem é o pagamento dos portes de envio dos livros que nos forem requisitados mas, mesmo nesta situação, podemos optar por apenas enviar para território nacional (muito mais barato), para todo o mundo, ou até mesmo recusar o mooch.

O sistema funciona por pontos. Quantos mais pontos tivermos mais livros podemos requisitar. Passo a explicar como podem obter esses mesmos pontos:
  • Por cada livro adicionados ao inventário - 1/10 de ponto;
  • Por cada livro enviado em território nacional - 1 ponto;
  • Por cada livro enviado para o estrangeiro - 3 pontos
  • Por cada feedback que dermos relativamente a um livro que recebermos - 1/10 de ponto

E como os podemos gastar?

  • Por cada livro que requisitado no estrangeiro, gastamos 2 pontos
  • Por cada livro que requisitado em território nacional, gastamos 1 ponto

Já adicionei alguns livros neste sistema (hoje foram mais 3), tendo já enviado 5 tanto para Portugal como para o estrangeiro (um vai a caminho da Austrália :D). Seria uma lista bem maior se tivesse descoberto este sistema mais cedo pois este ano sofri de um problema de "generosidade aguda" e acabei de dar quase 20 livros a pessoas em quem quis incutir o gosto pela leitura, e por alguns escritores, e que provavelmente não os irão apreciar tanto como alguém que realmente os queira e que faça parte desta rede.

Trata-se de um sistema extremamente útil, especialmente quando o espaço para guardar mais livros se torna escasso e não cabe outra estate no escritório.

Podem consultar os livros que tenho disponíveis para troca no seguinte link:

http://bookmooch.com/m/inventory/moncol

Hiperligações para esta mensagem

Já se encontram disponíveis os títulos da promoção da editora Saída de Emergência, 2=3.


Os livros disponibilizados este mês são:

Vou aproveitar a promoção e requisitar "A Ruína". Os restantes, ou já tenho ou não se encontram bem dentro do meu género literário.

Hiperligações para esta mensagem

Sinopse:
"Este livro da autora é inspirado no conto de fadas As Doze Princesas Bailarinas. É a história de cinco irmãs intrépitas, em luta com quatro criaturas sinistras, três misteriosos presentes mágicos, dois amantes proibidos e um sapo enfeitiçado. Há muitos mistérios na floresta. Jena e as suas irmãs partilham o maior de todos, um segredo fantástico que lhes permite escapar à vida diária nos campos da Transilvânia, e que mantiveram escondido durante nove anos. Quando o seu pai adoece e tem de abandonar o seu lar na floresta durante o Inverno, Jena e a sua irmã mais velha, Tati, ficam encarregues de cuidar da casa e das outras irmãs. O surgimento de uma misteriosa jovem de casaco preto faz nascer o amor numa das irmãs e, subitamente, Jena apercebe-se que tem de lutar para salvar aqueles que lhe são mais queridos. Acompanhada por Gogu , Jena tem de enfrentar grandes perigos para preservar não só as pessoas que ama, como também a sua própria independência e a da família."

Opinião:
Apesar de ser uma fã confessa da Juliet Marillier, e de ter gostado muito do livro, um dos poucos que conseguiu impor-se ao cansaço crónico com que ando, não o considero, de todo, uma das melhores obras de Juliet Marillier.

Relativamente ao desenrolar dos acontecimentos achei-o um tanto ao quanto previsível. Na totalidade do livro julgo que apenas tive uma verdadeira surpresa (a verdadeira identidade do sapo) embora, analisadas bem as coisas e dada a explicação por uma das personagens mais misteriosas do livro, fizesse todo o sentido que assim o fosse.

O livro mantém a sua magia pela excelente construção das personagens, bem como pela forma extraordinária como Juliet Marillier conta esta história.

Fico, definitivamente, a aguardar por mais!

Hiperligações para esta mensagem
Hoje é o dia do meu aniversário.

Como, ao contrário do inicialmente expectável, parece que afinal sempre vou receber uns cheques FNAC para gastar em livros, e, encontro-me de momento, assim sem nenhuma prespectiva de um MUST a não perder (apesar da minha lista IMENSA de livros a comprar), aproveito este meu espaço na blogoesfera para pedir sugestões de leitura.

Leio praticamente de tudo e encontro-me completamente receptiva a todo o tipo de opiniões.

Para vocês, qual é o livro presentemente no mercado, que é um MUST a não perder?

HELP PLEASE :D
Hiperligações para esta mensagem