Este livro foi mais uma daquelas minhas compras por impulso. Andava a passar tempo pela FNAC, enquanto o R. se perdia a ver bicicletas noutra loja, quando me deparei com um livro com uma capa, que pessoalmente, considero linda.

Nunca tinha ouvido falar de tal obra mas a sinopse e as críticas que apresentadas na contra-capa foram o suficiente para me convencer. Aproveito para informar que o 2º volume desta história, de acordo com a Editora, deverá ser lançado por ocasião da Feira do Livro de Lisboa do ano que vem.

Sinopse
"Dama da corte japonesa, descendente de uma das inúmeras ramificações do clã Fujiwara, Murasaki Shikibu é uma das principais referências da literatura japonesa. No entanto, pouco se sabe sobre a sua vida. Terá nascido entre os anos de 970 e 978, filha de um cortesão de nível médio, que chegou a governador da província de Echizen, situada a norte da capital. Por volta de 999 casou com um parente afastado, também do ramo dos Fujiwara. Teve uma filha, Daini no Sanmi, e enviuvou ainda jovem. Com a morte prematura do seu marido, ingressou na corte de Akiko, uma das consortes do Imperador Ichijo, onde rapidamente se transformou na figura central de um círculo literário feminino, próximo da imperatriz. Aí terá completado a sua obra-mestra: Genji Monogotari, também conhecido como O Romance de Genji, ou ainda A História de Genji, conforme a tradução.

(…) Murasaki Shikibu, não tendo sido nem a primeira, nem a última escritora Heian, supera claramente todas as suas contemporâneas. Possuidora de uma sensibilidade única e de um talento nato para a escrita, ficam ainda para a posterioridade o seu diário pessoal e uma vasta antologia de poemas líricos.
Sem dúvida, uma personalidade incontornável da história da Literatura Universal."

Imprensa
“A História de Genji é o expoente máximo da literatura japonesa. Até aos dias que correm, nunca surgiu outra obra de ficção que se lhe igualasse.”
Yusunari Kawabata, Prémio Nobel da Literatura, 1968


“Um dos romances mais antigos do mundo, somente comparável aos grandes clássicos ocidentais como Cervantes, ou Balzac…”
Octávio Paz, Prémio Nobel da Literatura, 1990


“Nunca se escreveu nada de melhor, em nenhuma literatura”.
Marguerite Yourcenar

Ficha Técnica
Autora: Murasaki Shikibu
Editora: Exodus
Ano de Publicação: Abril de 2008
Encadernação: Capa dura
Nº. de páginas: 838
Género: Romance

Comments (7)

On 17 de outubro de 2008 às 16:18 , Pedro disse...

De facto, desde que soube da sua publicação que me fascinou imediatamente. Além de que tenho um fraco por GRANDES livros... =))

Espero, entretanto, pela tua opinião.

 
On 18 de outubro de 2008 às 03:39 , Brefe disse...

Eu assisti um filme japonês há uns 8 anos baseado nessa história. O nome do filme é "sen nen no koi", algo como um amor de mil anos. O filme misturava histórias do romance, com a corte de Kyoto na época e personagens atuais em Kyoto do século 21. Não sei se saiu fora do Japão, mas a filmagem é muito bonita.

 
On 19 de outubro de 2008 às 18:55 , Homem do Leme disse...

Comecei esta semana a ler este livro. Parece-me uma história muito bonita e está muito bem escrito.

 
On 19 de outubro de 2008 às 18:57 , Homem do Leme disse...

O segundo volume já foi publicado pela Relógio d'Água.

 
On 19 de outubro de 2008 às 19:07 , Mónica Colaço disse...

Homem do Leme:
Já tinha visto na FNAC essa edição da Relógio d'Água mas, uma vez que comprei esta edição prefiro manter a coerência para além de esta ter uma capa deveras mais bonita que a da Relógio d'Água (coisas de mulher :D)
Fico a aguardar pela tua crítica e, já agora, espero que não te importes mas adicionei o teu blog à lista de blogs de leitura do meu.
Vou dar por lá uma passada mais tarde para ver o que sugeres ;)

 
On 20 de outubro de 2008 às 08:34 , Homem do Leme disse...

Mónica,

concordo plenamente contigo: para além da capa desta edição ser bem mais bonita, tem também maior qualidade de papel e de encadernação(adoro livros de capa dura). E é claro que não me importo que adiciones o "Conta-me Histórias", até agradeço. Também já adicionei o "Leituras e Devaneios".

 
On 24 de outubro de 2008 às 12:14 , djamb disse...

Mónica, a mim aconteceu-me o mesmo: foi a capa que me chamou a atenção. Quando li a sinopse e quando constatei que o livro não era nada caro, tendo em conta a sua dimensão, não hesitei em o comprar.
Ouvi dizer que o segundo volume é consideravelmente mais pequeno, mas espero que seja tão bom como o primeiro (que ainda não li).
Bjs