A minha primeira opinião em muito tempo vai para este livro, uma das novas grandes apostas da Editora Saída de Emergência, e uma das minhas muitas aquisições na Feira do Livro de Lisboa deste ano.

Trata-se da primeira em muito tempo pois de tão pouco que tenho a dizer sobre este livro, julgo não incorrer em injustiças por não lhe dar o devido tempo para maturar as ideias que tenho sobre o mesmo.




Ficha Técnica
Autor: P.C. Cast + Kristin Cast
Editora: Saída de Emergência
Encadernação: Capa Mole
N.º de páginas: 302
Género: Romance Fantástico
ISBN: 978-989-637-129-6
Tradução: Susana Serrão

Sinopse
"Zoey Redbird tem 16 anos e vive num mundo igual ao nosso, com uma única excepção: os vampyros não só existem como são tolerados. Os humanos que os vampyros "marcam" como especiais entram na Casa da Noite, uma escola onde se vão transformar em vampyros ou, se o corpo o rejeitar, morrer. Para Zoey, apesar do medo inicial, ser marcada é uma verdadeira bênção. É que ela nunca encaixou no mundo normal e sempre sentiu que estava destinada a algo mais. Mas mesmo na nova escola a jovem sente-se diferente dos outros: é que a marca que a Deusa Nyx lhe fez é especial, mostrando que os seus poderes são muito fortes para alguém tão jovem. Na Escola da Noite, Zoey acaba por encontrar amizade e amor, mas também mentira e inveja. Afinal, nem tudo está bem no mundo dos vampyros e os problemas que pensava ter deixado para trás não se comparam aos desafios que tem pela frente."

Opinião
Neste livro, e como parece estar a virar moda no género literário fantástico por esse mundo fora, surge uma "nova forma" de vampyros em que tal condição se deve a um efeito fisiológico que ocorre na adolescência que os torna diferente dos demais humanos e que leva a tal transformação (ou morte). Ora, uma vez mais estes vampiros têm características muito especiais e diferentes do que é comummente estabelecido como "normal" pelo folclore mundo fora, como uma certa tolerância à luz (não morrem quando expostos ao sol) e poderes místicos. Só me pergunto, quantas versões mais é que vão conseguir inventar?

Neste mundo retratado, os vampiros não só existem como são aceites pela sociedade, vindo-se a descobrir que algumas das pessoas mais talentosas e bonitas da actualidade do mundo artístico, são na realidade vampyros que, na generalidade, dominam o mundo das artes.

Voltando ao livro em si, este acompanha os últimos passos de Zoey Redbird, uma adolescente de 16 anos, como humana e os seus primeiros enquanto vampyra. Como a maioria dos adolescentes, vive problemas de relacionamentos paternais (uma mãe que estando presente está ausente e um padrasto fanático religioso) os quais chegam ao ponto de ruptura a partir do momento em que é "marcada" para se tornar vampira. A partir deste momento uma série de acontecimentos sucedem-se em catadupa que explicam o como esta adquire os poderes mencionados na Sinopse.

Não querendo revelar muito sobre a história, Zoey acaba por sair do mundo humano para integrar o mundo vampyrico na forma de uma espécie de, espantem-se, escola secundária para vampiros, onde todos os clichés típicos de um filme de adolescentes americanos sofreram ligeiras transformações mas continuam lá (não tenho mesmo pachora para este tipo de clichés). Ele é o grupo dos mais bonitos dos mais bonitos (sim porque ao que parece os vampyros são praticamente todos bonitos e depois há os ainda mais bonitos de todos) liderados pela mais bonita (ou das mais bonitas) mas "má como as cobras" que muito faz lembrar os grupos das cheerleaders e dos jogadores de futebol de uma escola normal; ele é o grupinho dos inadaptados/rejeitados onde não podia faltar a rapariguinha super boazinha com laivos de pateta e umas "Gémeas", que de gémeas só têm o facto de serem para lá de irritantes e o amiguinho gay rejeitado por todos e viciado no "bem falar"; os professores bonzinhos, os fascinantes e os normais; a paixoneta pelo rapaz mais giro da escola que é ex-namorado da má da fita entre tantos outros; diferente mesmo é o facto de serem vampyros, a escola ser nocturna e o mistério que vai surgir.

A integração da Zoey no grupo dos "rejeitados" é rápida demais; o mistério, se bem que não é tudo revelado, é pouco explorado e o suspense é quase nenhum; os sacrifícios feitos pelos "rejeitados", com tão pouco tempo de amizade, são no mínimo rocambolescos! Tudo acaba por acontecer de maneira muito rápida e muito fácil para a protagonista!

Creio que o que as autoras tentaram fazer foi mesclar vampiros com um pouco de Harry Potter senão veja-se a marca da Zoey pois, apesar de todos estarem marcados, esta tem uma marca que a distingue nos demais; a escola especial para vampyros onde não são leccionados os temas típicos de qualquer outra escola; e os poderes místicos que variam de vampyro para vampyro. Tudo isto levou a que tenha sido escrito um livro que denominaria de simples, de escrita ainda mais simples e pouco apelativa em termos literários e que, ao contrário do "Crepúsculo" ou do "Harry Potter", tem de melhorar muito se pretende cativar mais público do que aquele que é o seu público alvo, os adolescentes. Sinceramente não percebo como é que este livro vai herdar os fãs de "Crepúsculo". Só se for por estarmos a falar do mesmo público alvo, uma vez que é bem mais fraco que o 1º livro da Saga da Stephenie Meyer (não incluo os restantes neste comentário).

Não é um livro com o qual me tenha identificado especialmente (e se eu adoro vampiros e todo o folclore à volta destes), e que considere de leitura essencial a qualquer apreciador do género. Provavelmente só comprarei os restantes livros por duas razões: 1ª não gosto de deixar nada a meio; 2ª quero comprovar se estou certa sobre quem será aquela que se parece com a luz mas não o é.


P.S.
O tom desta opinião encontra-se inflamado de sarcasmo e mau feitio por, no fim da leitura, me ter sentido completamente defraudada.

Comments (5)

On 26 de maio de 2009 às 00:34 , Lord A:. disse...

Saudações,
A resenha do livro está muito legal, creio que será uma obra ficcional fantástica.

Como percebí que o tema Vamp lhe atrai, deixo-lhe o convite para conhecer o site www.vampyrismo.org sobre Subcultura Vampyrica, em vertentes fashionistas/láicas e também suas vertentes politeístas e panteístas.

Ah sim, temos um programa de rádio chamado Vox Vampyrica (podcast)
www.myspace.com/voxvampyrica

Um forte abraço e nos vemos sob o longo véu negro, ao longo da estrada escarlate...

 
On 29 de maio de 2009 às 12:28 , Canochinha disse...

Concordo com praticamente tudo o que dizes... Realmente, podia ter sido muito melhor. Em princípio, não estou a pensar comprar os seguintes.

 
On 30 de maio de 2009 às 07:41 , Mónica disse...

Pelo que vi de comentários a este mesmo livro no teu blog, relativamente a só piorar, acho que vou rectificar a parte de voltar a comprar mais só para me certificar HEHE

 
On 1 de junho de 2009 às 15:27 , Carlaa disse...

Boa! Mais outro livro do género do Crepúsculo -.-'
Parece que o novo alvo da literatura light são os jovens-adultos. Talvez porque a maioria não tem ainda um certo grau de exigência, uma personalidade definida e por estarem numa fase de desenvolvimento da maturação, onde os sentimentos e emoções estão ao rubro, e estas pseudo-escritoras (descerebradas) tiram partido disso.

 
On 3 de julho de 2009 às 02:15 , Anónimo disse...

Só li a sinopse e o primeiro capítulo, mas já achei o maior cliché, é a copia de HP e se parece com Crepúsculo, será que não dava pra criar algo mais original não, em?!HP e Crepúsculo são coisas únicas não podemos aceitar imitações destes!!!